Caras sorridentes

“Não esqueças – dizia São Josemaria Escrivá – que, às vezes, faz-nos falta ter ao lado caras sorridentes” (Sulco, n. 57).

Ele o recomendava, e (sou testemunha disso) praticava-o em favor dos outros todos os dias. Costumava dizer, por experiência própria, que, em muitas ocasiões, “sorrir é a melhor mortificação”, porque custa. Sim, pode nos custar, custar muito, sobretudo nos dias em que não nos sentimos bem ou andamos aflitos e preocupados, mas o esforço sacrificado de tentar sorrir por amor – por amor a Deus e por amor aos outros -, passando por cima das dificuldades, constitui um belo serviço, pois torna mais amável e alegre a vida dos que convivem conosco.

É estranho, mas alguns pensam que sorrir sem ter vontade é hipocrisia. Não é verdade. Por exemplo, fazer o esforço, no lar, de sorrir para evitar preocupações, angústias, tormentos, mau humor ao marido, à mulher, aos filhos, é um grande ato de amor. O sorriso afetuoso dissipa nuvens, desarma irritações, abre uma nesga de céu por onde pode entrar o sol da alegria e o bom humor.

Por isso, deve-se lutar esforçadamente para não privar desse bem os outros. Sorrir não é só uma reação espontânea, uma atitude “natural” que não se pode controlar; pode – deve, muitas vezes – ser um ato voluntário de amor, praticado com esforço consciente, pensando no bem dos outros.

A este propósito, gosto de recordar um cartão de Boas-Festas que um padre amigo me mandou em fins de 1992. Era uma folha de papel simples, xerocada na paróquia, e trazia uma espécie de poema. Não sei se era da autoria dele, ou se o tomara emprestado de alguma publicação ou da Internet. Seja como for, o conteúdo era muito simpático. Debaixo do cabeçalho – Um sorriso -, vinham as seguintes frases:

– “Não custa nada e rende muito.

– “Enriquece quem o recebe, sem empobrecer quem o dá.

– “Dura somente um instante, mas os seus efeitos perduram para sempre.

– “Ninguém é tão rico que dele não precise.

– “Ninguém é tão pobre que não o possa dar a todos.

– “Leva a felicidade a todos e a toda a parte.

– “É símbolo da amizade, da boa vontade, é alento para os desanimados, repouso para os cansados, raio de sol para os tristes, ressurreição para os desesperados.

– “Não se compra nem se empresta.

– “Nenhuma moeda do mundo pode pagar o seu valor.

– “Não há ninguém que precise tanto de um sorriso como aquele que já não sabe sorrir.

– “Quando você nasceu, todos sorriram, só você é que chorava. Viva de tal maneira que, quando você morrer, todos chorem e só você sorria”.

 

(Adaptação de um trecho do livro A paz na família)