Textos para meditar: Papa francisco e a confissão

QUARESMA: O PAPA FRANCISCO E A CONFISSÃO
Comentando a primeira Carta de S. João (1 Jo 1,5-2,2), em que se diz que “Deus é luz e Nele não há trevas”, o Papa Francisco comentou:
«Caminhar nas trevas significa estar satisfeito de si mesmo; estar convencido de que não precisa de salvação. Essas são as trevas! Olhem seus pecados, os nossos pecados: todos somos pecadores, todos… Este é o ponto de partida. Se confessamos nosso pecados, Ele é fiel, é justo a ponto de nos perdoar» […].
«O confessionário não é uma tinturaria: é um encontro com Jesus que nos espera, que nos espera como somos. Temos vergonha de dizer a verdade, “fiz isso, pensei aquilo”, mas a vergonha é uma virtude verdadeiramente cristã e também humana… a capacidade de envergonhar-se é uma virtude do humilde» […].
«Jesus nos espera para nos perdoar. Confessar não é como ir a uma “sessão de tortura”. Não! Confessar-se é louvar a Deus, porque eu, pecador, fui salvo por Ele. E ele me espera para me repreender? Não, espera-me com ternura para me perdoar. E se amanhã fizer a mesma coisa? Confesse-se mais uma vez… Ele sempre nos espera».
Homilia 29-IV-13