Textos para meditar: “Tarde te amei”

QUARESMA: DOR DE AMOR (em Santo Agostinho)
Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Eis que estavas dentro, e eu fora; e aí te procurava e lançava-me contrafeito às belezas que Tu criaste. Estavas comigo e eu não estava contigo. Seguravam-me longe de ti as coisas que não existiriam, se não existissem em ti. Chamaste, clamaste e rompeste a minha surdez; brilhaste, resplandeceste e afugentaste a minha cegueira; exalaste perfume e respirei, e anelo por ti; provei, e tenho fome e sede de ti; tocaste-me e ardi na tua paz.
Santo Agostinho, Confissões, Livro 7