Exemplos e símbolos: a ilha e o muro

MANDAMENTOS E LIBERDADE

G.K.Chesterton, o famoso escritor inglês convertido ao catolicismo, recorria a uma pequena fábula para mostrar como a lei – a lei moral, a lei de Deus e da Igreja, com a sua obrigatoriedade para a consciência – é paradoxalmente a única garantia para a liberdade. “A fé e a disciplina católicas – escrevia em Ortodoxia – poderão ser paredes (com efeito, muitos as julgam paredes de uma prisão), mas são paredes de um campo de recreio”. E, a seguir: “Imaginemos um bando de crianças que brincam, descuidadas, no cimo relvado e plano de alguma elevada ilha do Oceano. Enquanto houve uma parede em volta do íngreme rochedo, puderam elas entregar-se aos jogos mais frenéticos e fizeram daquele lugar o mais barulhento dos quartos das crianças (nurseries). Mas as paredes foram derrubadas, deixando a descoberto o perigo do precipício. As crianças não se despenharam por ele abaixo, mas, quando os seus amigos voltaram, encontraram-nas transidas de terror no centro da ilha. E já não se ouviam as suas canções”

Trecho do livro de F. Faus A voz da consciência