SALMOS: BRILHE SOBRE NÓS A LUZ DA TUA FACE

BRILHE SOBRE NÓS A LUZ DA TUA FACE

─ Deus tenha piedade de nós e nos abençoe, faça brilhar sobre nós a sua face (Salmo 67,2) ─ Levantai para ele o vosso olhar, e vos encherá de luz (Salmo 34,6) ─ Envia a tua luz e a tua verdade; que elas me guiem e me conduzam (Salmo 43,3).

  • Faze brilhar sobre nós a tua face: ─ Concede-nos, Senhor, a certeza de que existes, de que estás voltado para nós, de que envolves o nosso coração e a nossa vida com o calor da tua bondade e do teu olhar paterno!

Há momentos, quando o caminho se torna mais escuro, em que nos faz muita falta ter um rosto paterno, e materno, no qual possamos encostar o nosso, um peito acolhedor sobre o qual posamos reclinar a nossa cabeça, como fez são João na noite da Última Ceia, quando Jesus anunciava a sua morte (Jo 13,25).

O aconchego de Deus – a luz da sua face – acalma. É o que experimentamos quando, nos dias mais turbulentos, conseguimos fazer um pouco de oração, de conversa calma a sós com Deus, sem barulho nem interferências.

Pouco tempo antes de se encaminhar para a Paixão, Jesus permitiu que três dos seus Apóstolos, os de maior confiança, contemplassem nele, fascinados, o resplendor da face de Deus.

Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e seu irmão João, e os levou para um lugar à parte, em um alto monte. E ali foi transfigurado diante deles. O seu rosto resplandeceu como o sol e as suas vestes tornaram-se alvas como a luz (Mt 17,1-2).  Apareceram, então, duas figuras-símbolo do Antigo Testamento: Moisés (a Lei) e Elias (os Profetas), que falavam com ele da sua morte, que ia dar-se em Jerusalém (Lc 9,31).

  Empolgado por esse resplendor divino, Pedro exclamou: Mestre, como é bom ficarmos aqui. Façamos três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias (Lc 9,33). Queria acampar, eternizar aqueles momentos de arroubamento e paz.

Mas o encanto durou pouco. Jesus desceu logo do monte e retornaram à vida normal, com suas alegrias e suas dificuldades, seus sucessos e frustrações, seus acertos e seus erros. Foi então que Jesus anunciou-lhes pela segunda vez a sua Paixão e Morte. Mas eles nada entenderam e ficaram muito tristes (Mt 17,22-23).

Nosso Senhor pede-nos a intimidade da oração. Mas a autêntica oração (diálogo de amor) não é uma fuga; ao contrário, é um grande meio para crescer na fé e, assim, podermos ver e cumprir melhor a vontade de Deus. Isso, porém, sem a cruz de cada dia, é impossível. Vida cristã sem cruz é como uma águia sem asas.

Os bons tempos de oração, certamente, são repousantes, mas, acima de tudo,  devem ser “reconfortantes”: ou seja, devemos neles “recarregar” forças e tomar decisões firmes, ao mesmo tempo que pedimos ao Espírito Santo que nos infunda o dom da fortaleza. Deus nos consola, sim, mas é para nos fortificar. Na oração, o que o Espírito Santo faz em nós e por nós é muito mais importante do que o que nós fazemos por nós mesmos.

Numa homilia sobre a transfiguração, o papa são Leão Magno (século V), dizia: «A transfiguração tinha como fim principal afastar do coração dos discípulos o escândalo da cruz, para que a ignomínia da paixão, voluntariamente suportada por Cristo, não lhes abalasse a fé»[1]

Envia a tua luz e a tua verdade; que elas me guiem e me conduzam.

             O salmo nos lembra que toda a luz vem de Deus: desde a luz da Criação (Faça-se a luz: Gên 1,3) até a luz do fundo da alma.

Peçamos concretamente a luz da transfiguração, que nos faça ver o que o mundo não pode enxergar: o valor da cruz, do sacrifício, da renúncia e do sofrimento, quando abraçados por amor a Deus e ao próximo. Peçamos que, na nossa ascensão pelo caminho da santidade cristã, o escândalo da Cruz (1 Cor 1,23) não nos derrube antes de chegarmos ao termo da estrada da vida.

A palavra “escândalo” (skándalon”), que são Paulo utiliza, significa literalmente “pedra de tropeço”. Na vida, há muitas pedras em que podemos tropeçar e cair no meio caminho. Peçamos a Jesus que nós mesmos não sejamos essa pedra de fracasso, pela nossa covardia e o nosso comodismo.

Para reforçar o nosso propósito, meditemos devagar estas três breves frases de são Josemaria:

  • «O caminho do Amor chama-se Sacrifício».
  • «O amor saboroso, que torna feliz a alma, está baseado na dor: não é possível amor sem renúncia».
  • «Ter a Cruz é ter a alegria: é ter-te a Ti, Senhor!»[2].

Se compreendermos essa mensagem, que provém da entranha do Evangelho, nos prepararemos para que, ao chegarmos à estação terminal da vida, possam ser aplicadas a nós estas palavras de Jesus: Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai (Mt 13,43).

[1] Sermão 51, 3-4

[2] Forja, nn. 768,760,766