O FUNDADOR DO OPUS DEI EM SÃO PAULO (fioretti IX)

COM DEUS NO MUNDO

Sâo Josemaria, numa reunião com rapazes em São Paulo, numa daquelas tertúlias familiares em que o diálogo se tornava logo confiante e cálido, começou assim:
– Meus filhos, estamos no mundo para não sair do mundo. Nosso Senhor quer que fiquemos no meio da rua…
Ouvido atento, compreendíamos que queria aquecer em nós o ideal da santidade no meio do mundo, através do trabalho profissional e dos deveres cotidianos do cristão, esse grande ideal que Deus quis proclamar por todas as encruzilhadas da terra por intermédio de São Josemaria e do Opus Dei. Mons. Escrivá continuava:
– “Dizia que estamos no meio da rua. O Senhor quer que estejamos no mundo e que o amemos, sem sermos mundanos. O Senhor quer que permaneçamos neste mundo – que agora está tão agitado, onde se ouvem clamores de luxúria, de desobediência, de rebeldias que não levam a parte nenhuma – , para ensinarmos as pessoas a viver com alegria. A gente está triste. Fazem muito barulho, cantam, dançam, gritam, mas soluçam. No fundo do coração só têm lágrimas: não são felizes, são desgraçados. E o Senhor, a vocês e a mim, nos quer felizes”.
O Padre pronunciava essa última palavra –“felizes” – dando ênfase a cada sílaba. Era como erguer aquela bandeira, que todos, na vida, queremos seguir. Todos queremos ser felizes. E, logo a seguir, o “segredo”:
– “Seremos felizes se lutamos e vencemos. Cada um de nós tem uma experiência pessoal, como eu a tenho. Cada um de vocês sabe que, todos os dias, há uma porção de batalhas”.
E, como o Padre tinha a experiência de que as ideias só valem quando são sangue e vida, acrescentou: “Sei que todos vocês estão decididos a lutar. Sei que nenhum de vocês é covarde, que todos são valentes, que não têm medo…”
Pouco depois, em diálogo com um estudante, completou: “Eu, que sou menos jovem, tenho que lutar igual a você… Mas, não se iluda, não se imagine vitorioso. Será vitorioso se contar com Deus, se for humilde. Senão, irá para o chão. E eu também. No entanto, é preciso lutar, não há outro remédio. E por que é preciso lutar? Por amor. Nós estamos apaixonados… “.
Depois de animar ao esforço generoso, à luta espiritual, São Josemaria concluiu com o segredo sem o qual todas as nossas lutas se dissolveriam no ar: “Será vitorioso se contar com Deus, se for humilde”. É de Deus, da graça do Espírito Santo que nos vêem as luzes e as forças, e entâo colhemos od “frutos do Espírito Santo” de que São Paulo fala aos Gálatas: “Caridade, alegria, paz…”.